Assembleia Nacional, 21 de Dezembro de 2018.

Senhor Presidente da Assembleia Nacional, queira, em primeira mão, como anfitrião, receber os calorosos votos de cumprimento.

Olhando para este auditório multiforme, ressalta-me a Presença amável e estimável do mais alto magistrado da nação, Sua Excelência o Senhor Presidente da República, Evaristo do Espírito Santo Carvalho à quem agradecemos pela Presença neste acto, não só como Presidente da República mas também como antigo deputado e Presidente desta casa parlamentar.

Caras Deputadas e Caros Deputados, apercebo-me, de igual modo, as presenças de Suas Excelências o Senhor Primeiro-Ministro e Chefe do Governo, distintos membros do Governo, bem como dos Presidentes dos Tribunais Superiores, Procurador Geral da República, Ex-Presidente da república, Fradique de Menezes, Sr Presidente do Governo Regional do Príncipe, das Altas Chefias Militares e para militares a quem aproveito a sublime ocasião para endereçar os cumprimentos da minha Bancada Parlamentar.

Aos ilustres convidados, Sr. Bispo da Diocese de STP, ao Corpo Diplomático e Representantes dos Organismos Internacionais acreditados no nosso maravilhoso país, destacadas individualidades, queiram receber, de igual modo, as saudações da Bancada Parlamentar do ADI.

Aos colegas Deputados, aqui ficam a firme vontade da minha Bancada em tudo fazer para que a Santidade do Tomé, posta à prova de que viu Jesus, nos encha de ânimos para junto trabalharmos e sempre num acreditar no futuro melhor.

Hoje, 21 de Dezembro, precisamente 548 anos da descoberta da Ilha de S.Tomé, é com júbilo que festejamos essa descoberta. Nesse espírito de descobridores e navegadores que nada se alcança sem trabalho de equipa, juntos poderemos remar o barco para o porto seguro e quem sabe para descobertas que tragam o bem-estar para o nosso Arquipélago e o nosso maravilhoso povo.

Ao mesmo tempo que celebramos a descoberta, celebramos também 44 anos do Governo de Transição liderado por Dr. Leonel Mário d’Alva aqui presente nesta cerimónia à quem aproveito a ocasião de, em nome da minha Bancada Parlamentar, e do Partido ADI, manifestar o nosso devido reconhecimento. Mas, não podemos nos esquecer que 21 de Dezembro, enquanto data política, é resultado do acordo do Argel assinado a 26 de Novembro de 1974 e que todos nós devemos reflectir da importância desse momento histórico e da necessidade de ser também um dia feriado.

De igual modo celebramos 21 de Dezembro como dia Santo. Dia do Santo Tomé. Tomé homem de muita Fé.

Nessas três dimensões de celebração, obviamente, cada uma com seu simbolismo, desperta as nossas consciências, que para além das festividades, urge a necessidade de um exame de consciência e o propósito firme de emendas nalguns casos e noutros, como os navegadores, continuarmos com toda a perseverança na busca do progresso e bem-estar dos são-tomenses.

Certamente,

A razão nos faz superiores aos demais animais da natureza. E por mais que tenhamos percepções diferentes, temos algo em comum: A Razão. É na base da razão que afirmamos que o nosso passado comum nos conduziu às celebrações de hoje e, ninguém, por mais que duvide, resistirá diante das evidências das obras feitas e de todo o legado que recebemos que constituem para nós um património o qual devemos preservar.

Uma verdade que não escapa a nossa vista é que, desde 1990, apesar de momentos políticos, alguns deles conturbados, hoje podemos afirmar que somos uma democracia viva e que nos últimos 28 anos nunca foi posta em causa e sempre soubemos ultrapassar pontos de divergências e, com a fé do Tomé, acreditamos nós, seremos capazes de sempre nos entendermos na defesa da causa, S.Tomé e Príncipe.

Como qualquer descoberta científica sujeita-se à aprovação dos pares da Comunidade, a Nova verdade revalida aquela que está em uso. Mas, haja retórica na comunicação dos resultados, sob pena de nós não conseguirmos convencer aqueles que depositam sua confiança e esperança em nós.

Estamos certos de que quem manda é o povo. Quem orienta é o Governo. Quem legisla, em nome do povo, são os deputados e os juízes, por sua vez, ditam direito, em nome do povo. Assim, todos estamos em representação do povo, cada um a seu nível. Estamos todos, em nome do povo, neste feriado nacional, para dizer que Valeu a Pena, que vale a pena e que valerá sempre a pena festejarmos o 21 de Dezembro nas três dimensões.

Para mim, em particular, é uma honra. E em nome do Grupo Parlamentar e do Partido ADI, os nossos agradecimentos aos obreiros deste maravilhoso país, desde os descobridores sem esquecer das ilustres figuras como Dr Leonel Mário D’Alva (Primeiro-Ministro do Governo de Transição), Dona Alda do Espírito Santo (a nossa matriarca), o ex-Presidente Miguel Trovoada (Primeiro Ministro do Primeiro Governo Constitucional) e Ex-Presidente Manuel Pinto da Costa (Primeiro Presidente da República Democrática de S.Tomé e Príncipe).

Excelências,

As celebrações de hoje, são frutos do passado. Apesar de todo o legado, não podemos ficar presos ao passado, sob pena de comprometermos o futuro. Por isso, atendendo a realidade actual e considerando que temos uma população maioritariamente jovem, gostaria de aproveitar a ocasião desta efeméride para apelar e desafiar aos jovens de hoje que serão homens de amanhã para, com base no legado dos homens de ontem, possam olhar e assumir o futuro com confiança.

Que os novos navegadores e construtores dessa nação, com ênfase para a nova geração de políticos, continuem a obra deixada pelos homens de ontem.

Viva S.Tomé e Príncipe!

Que o Tomé interceda por nós.

Mt. Obrigado